sábado, 22 de agosto de 2009

Não é você, sou eu.

- Alô? Oi. Tudo bem? Desculpa por não ter atendido às tuas ligações, tinha muita coisa na minha cabeça. Aliás, tem ainda. Pode parecer estranho depois de isso tudo eu mesma te ligar, eu sei. É que não dava mais pra adiar, precisava falar com você. Não fala nada, por favor. Só me escuta. Antes de tudo, eu quero te lembrar que valeu cada segundo que eu vivi do seu lado. Queria te dizer que vou ficar com remorso por tudo o que possivelmente vai acontecer hoje. Você não tem noção de como isso tudo está sendo doloroso para mim, nem sei como dizer isso... Desculpa por não fazer durar mais, mas o nosso namoro termina aqui. Não, não chora, por favor! Eu sei, pode parecer precipitado, mas só tem esse jeito mesmo. Não, eu não deixei de gostar de você, eu te admiro demais, mas é que eu conheci muita gente nos últimos dias, eu só preciso de um tempo para pensar… Nem precisa dizer: eu sei que quando eu decidir vai ser tarde demais se eu quiser voltar atrás… Mas é que para ser sincera, eu já tenho quase certeza da minha decisão. E eu não quero te fazer sofrer, mas eu não podia viver angustiada, entende? Eu sei, eu liguei preparada para qualquer reação sua. Eu não vou te pedir para falar comigo, muito menos ser gentil comigo, afinal o namoro começou por insistência minha… Eu nem vou pedir nada. Só esperar que um dia você entenda.

2 comentários:

Lilly disse...

Que término bem escrito. Pareceu-me sincero. Gostei mesmo!

Beijos.

Bruna Zanni disse...

Lu...
O texto é legal. Mas me explica...por que essa letra minúscula? É pra torturar o leitor?
Beijos!