terça-feira, 14 de julho de 2009

Relicário

Guardo em uma caixa várias lembranças, várias histórias e nostalgia.
Guardo nessa caixa meus maiores tesouros, guardo a saudade do que já quis ser e nunca fui (bailarinaaeromoçaprofessora).
Guardo fotos de amigos hoje distantes e endereços de velhos desconhecidos. Ingressos de cinema, papeis (ou papéis?) de bala e cadernos velhos. A boneca favorita de criança, cartas que não escrevi, conchinhas de praias diversas - e praias de férias diversas.
Raios de sol e noites estreladas, músicas sem harmonia.
Gosto dos meus guardados, sejam eles tristes ou felizes, azuis ou vermelhos, bons ou ruins.
Levo essa caixa aonde quer que eu vá, e mesmo que não queira ela vem comigo, como fosse sombra.
Se alguma lebrança se quebra, eu quebro junto, e vice-e-versa.
Somos inseparáveis, eu e minhas lembranças, como não se separa eu de mim mesma.
Porque essas lembranças nada são senão a própria vida, já que todo o resto é indefinido e imprevisível - tanto o hoje quanto o amanhã. E tudo o que se leva dessa vida são histórias, a vida de nada vale sem histórias para contar.

3 comentários:

jadeamorim.com disse...

Lembranças são boas para podermos continuar aprendendo com elas! Pelo menos para saber o que não se deve fazer! uahsuahs
Adorei o post! =)



Beeijos! =*

Rebeca disse...

Liiiindo *-*

jadeamorim.com disse...

Concordo com você, nós sempre podemos melhorar! =)
Obrigada pelo coment, já tem post novo! =)

Beeijos!